sábado, 17 de abril de 2010

Palavras.

A alma se faz inconsciente aos desejos alheios, a própria vontade de largar tudo o impede de fazer-lhe o que é o mais insano. Suas palavras são seu único refúgio, as mãos dançam sobre o papel em conjunto com o lápis que mostra a sensibilidade de suas palavras, a sua vontade incumbida ao que te chama atenção. A vida secreta que leva o torna mais interessante, envolvente a cada dia, suas palavras os seguem, buscando uma única saída. Seu desejo à carne torna-se seu próprio desdém, sua sanidade que já és insanidade o torna completamente louco, o louco que espera-o no escuro para a abordagem inesperada e ao dia de sua partida. O louco que te apóia em suas escolhas mal refletidas. O louco que tirará a sua próprio vida, num único e perpetuo conto escrito e cravado a terra, terra esta que não lhe dá valor, mas que um dia irá jurar sobre o seu nome quem foi o verdadeiro autor. Suas palavras dançam novamente em ritmo ao lápis que traduz e transparece a alegria de um simples escritor.

"Just words."

2 comentários:

Dayane disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
» disse...

Perfeito Perfeito *----------*
indescritivél!
Parabéns amigaa, escreveste magnificamente aquilo que- particulamente, sinto ao escrever *-*
Beiijos

Postar um comentário